O QUE DISTINGUE O DESENVOLVIMENTO DO ATRASO?

É através do conhecimento que se combate o atraso, a pobreza e as desigualdades. E que se promove a igualdade de acesso a oportunidades ao longo da vida.

Tudo se aprende. Aprendemos conhecimentos variados na escola e em outros locais: ler e escrever, jogar à bola, correr, fazer contas, brincar, cozinhar, costurar, pintar, dançar, tocar piano ou violino, cantar, programar, fazer experiências, observar com lupa e microscópio, conduzir, etc. Aprendemos a viver juntos e a viver com os outros, aprendemos a ser pessoas responsáveis, aprendemos a fazer escolhas e a intervir na sociedade.

Quanto mais sabemos, mais coisas somos capazes de aprender e de fazer. Mais competências temos.

Tens dúvidas?

O QUE SE ESPERA DE UM ADULTO EM 2030?

Imaginas o que se espera de um adulto em 2030?

Estamos em 2017 e pouco se sabe sobre o futuro. Mas sabemos que, nos últimos anos, o mundo mudou muito. E sabemos, também, que quem aproveitou as oportunidades que a escola lhe deu, fazendo as aprendizagens todas desde o 1º ciclo - saber e saber fazer, respeitar e intervir - não teve problemas de aprendizagem ao longo da vida.

Também sabemos que o mundo está em constante mudança: que a tecnologia avança a cada dia que passa, que são descobertas causas de doenças e novas forma de as tratar, que cada vez se conhece melhor a profundidade dos oceanos, as potencialidades do cérebro humano, os efeitos prejudicais ao ambiente e à saúde de produtos que usamos há anos (plásticos, pesticidas e outros químicos) e as alterações que o planeta Terra está a sofrer devido a decisões que, ao longo de décadas, não respeitaram o ambiente e os seres vivos.


ENSINO OBRIGATÓRIO ATÉ AO 12º ANO

ENSINO OBRIGATÓRIO ATÉ AO 12º ANO
No 12º ano, à Saída da Escolaridade Obrigatória, terás de garantir aprendizagens - saber e saber fazer, respeitar e intervir - que te permitam trabalhar em Portugal ou noutro país, tomar decisões e participar na sociedade de modo responsável. Um verdadeiro cidadão! Compreendes, agora, por que motivo são tão importantes as aprendizagens desde o 1º ciclo? Porque te permitem fazer novas aprendizagens nos ciclos seguinte e, no 12º ano, quando terminares o ensino obrigatório, terás garantido o Perfil do Aluno.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Plastic Ocean

CIDADANIA

Sabes o que é a CIDADANIA?
É a prática dos DIIREITOS e DEVERES de CIDADÃO, pelo facto de pertencerem a uma comunidade alargada e, especialmente, a um Estado.
O CIDADÃO tem DIREITOS: Políticos, Sociais e Civis.
Ma também tem o DEVER de participar ativamente, de modo informado e responsável, nos processos que a todos dizem respeito.
O cidadão Português  tem um Cartão de Cidadão que o identifica em Portugal e na União Europeia.
Quando há eleições, o CIDADÃO maior do que 18 anos tem DIREITO a canditar-se a cargos públicos e tem, também, o DEVER de VOTAR.
Retirado aqui
Mas a prática de cidadania não termina no momento do voto. 
Ser CIDADÃO implica EXIGIR OS DIREITOS e CUMPRIR OS DEVERES. 
Ser CIDADÃO é ser responsável, aceitar quem é diferente, relacionar-se com os outros, fazer cumprir os Direitos Humanos, respeitar e proteger o ambiente, a vida selvagem e o património. E atuar quando é preciso!



Em CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO tens participado em processos que conduziram já à identificação de problemas a nível local. Percebeste que um CIDADÃO atento, que conhece os seus DIREITOS e DEVERES, descobre facilmente situações que é preciso melhorar. E intervém para defesa do bem comum.

PARAR         OBSERVAR        PENSAR        AGIR

PERFIL DOS ALUNOS À SAÍDA DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

O que distingue o desenvolvimento do atraso é a aprendizagem.
Tudo se aprende na vida e ao longo da vida:  aprendemos conhecimentos variados na escola e em outros locais e estamos sempre a aprender novas coisas: jogar, correr, ler, escrever, fazer contas, brincar, cozinhar, costurar, pintar, dançar, tocar piano ou violino, cantar, programar, fazer experiências, observar com lupa e microscópio, etc. Aprendemos a viver juntos e a viver com os outros, aprendemos a ser pessoas responsáveis, aprendemos a intervir na sociedade, etc.
Quanto mais sabemos, mais coisas somos capazes de aprender e fazer e mais somos respeitados. Tens dúvidas?

Imaginas o que se espera de um adulto em 2030?
Estamos em 2017 e pouco se sabe sobre o futuro. Mas sabemos que, nos últimos anos, o mundo mudou muito. E sabemos, também, que quem aproveitou as oportunidades que a escola lhe deu, e fez as aprendizagens todas desde o 1º ciclo - saber e saber fazer, respeitar e intervir - não teve problemas de aprendizagem ao longo da vida.
Também não há dúvida que tudo está em constante mudança: que  a tecnologia avança cada dia que passa, que  são descobertas causas de doenças e novas forma de as tratar, que cada vez se conhece melhor a profundeza do mar, as potencialidades do cérebro humano, os efeitos prejudicais ao ambiente e à saúde de produtos que usamos há anos (plásticos, pesticidas e outros químicos) e as alterações que o planeta Terra está a sofrer devido a decisões que não respeitaram o ambiente e os seres vivos.
O mundo atual coloca novos desafios à educação! 

Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória explica o que se espera de um aluno de hoje, de modo a que esteja preparado para as exigências do mundo em 2030.

As aprendizagens essenciais de que os teus professores falam são, na prática, os conhecimentos que te permitem compreender cada assunto, te vão permitir fazer novas aprendizagens nos anos seguintes e te permitem articular conhecimentos de várias disciplinas, de modo a seres capaz de perceber e resolver problemas do dia a dia e  intervir sempre que necessário.
Percebes agora por que razão é essencial fazer aprendizagens desde o 1º ano de escolaridade? Porque o conhecimento se constrói ao longo da vida, a cada ano que passa.

A ESCOLA É UM LOCAL DE APRENDIZAGEM PARA A VIDA!
No 12º ano, à Saída da Escolaridade Obrigatória, terás de garantir aprendizagens - saber e saber fazer, respeitar e intervir - que te permitam trabalhar em Portugal ou noutro país, tomar decisões responsáveis e participar na sociedade de modo responsável. Um verdadeiro cidadão!

Compreendes, agora, por que motivo são tão importantes as aprendizagens desde o 1º ciclo? Porque te permitem fazer novas aprendizagens nos ciclos seguinte e, no 12º ano, quando terminares o ensino obrigatório, terás garantido o Perfil do Aluno.
E a aprendizagem continuará a partir daí, em função do que escolheres para o teu futuro.
E depois, em função do trabalho que realizares, novas aprendizagens e aperfeiçoamentos terás de fazer. 
Quem avança para o ano seguinte sem as aprendizagens necessárias, terá muitas dificuldades para as ultrapassar. Por isso precisa da ajuda que a escola lhe dá. Por isso deve aproveitar todas as oportunidades. 
TENHO DIREITOS!
TENHO DEVERES!
SOU CIDADÃO. TENHO RESPONSABILIDADES!

sábado, 16 de dezembro de 2017

VISITA ÀS EXPOSIÇÕES: "ASPA: 40 ANOS DE LUTA(S)" E "ERA UMA VEZ UMA CIDADE"

Reserva arqueológica 
Para perceber as transformações que aconteceram em Braga desde o tempo de Bracara Augusta até aos nossos dias,  os alunos do 5º1 fizeram um percurso a pé, no dia 15 de dezembro, desde a escola até ao centro da cidade, com paragem na colina de Maximinos.
Nesse local um grupo de cidadãos iniciou, em 1976, um movimento de luta pelo salvamento de vestígios arqueológicos descobertos durante a construção de uma zona residencial.  O movimento deu origem à ASPA (Associação para a Defesa, Estudo e Divulgação do Património Cultural e Natural), associação que ainda existe.
Perceberam que por baixo e em redor do parque radical e em frente ao Museu D. Diogo de Sousa, é uma reserva arqueológica para o futuro. Um dia, quando forem realizadas escavações, há garantia de aí encontrar mais elementos de Bracara Augusta. 
No Largo de S. Paulo





Passaram no Largo de S. Paulo, onde viram o traçado do pavimento representando os muros de uma dómus que lá existiu.







Depois visitaram as exposições "ASPA: 40 ANOS DE LUTAS" e ERA UMA VEZ UMA CIDADE
Dando opinião sobre a exposição da ASPA



ASPA: 40 ANOS DE LUTAS, no Museu Nogueira da Silva. Onde consultaram informação sobre monumentos que esta associação ajudou a salvar: Bracara Augusta, Mosteiro de Tibães, Complexo das Sete Fontes e muitos outros.

ERA UMA VEZ UMA CIDADE, na Torre de Menagem. A informação prestada através de desenhos ajudou a perceber como se vivia em Bracara Augusta, como cresceu a cidade até ao séc. XVIII e os monumentos construídos em cada época da História de Braga.
Aumentar a imagem

Uma exposição que ajuda a perceber como era Bracara Augusta e lança a curiosidade para visitar os muitos monumentos romanos representados: Termas, Insulas, Dómus, Teatro, Fórum, Anfiteatro, etc.
Os desenhos da exposição mostram monumentos importantes. Ficou a curiosidade para os visitar.







No tempo dos romanos havia um Teatro.





Também havia um Forum.







E muralhas para proteger Bracara Augusta.


Depois os pisos com desenhos da cidade medieval e da cidade barroca.

Todos sabiam que as Sete Fontes foram mandadas construir por D. José de Bragança. Mas nada dizia sobre o assunto na informação sobre este arcebispo!

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

COMPLEXO DAS SETE FONTES

Em Braga há um sítio, junto ao hospital, onde há muita quantidade de água. É conhecido por Complexo das Sete Fontes e fica no lugar das Sete Fontes, em S. Victor.
  • No tempo de Bracara Augusta era daí que vinha grande quantidade de água para a cidade. As Termas romanas recebiam água das Sete Fontes. 
  • Muito mais tarde, já no séc. XVIII, foi construído um sistema hidráulico, em granito, que trazia água às habitações, fontanários, lavadouros e quintas da cidade. Permitiu que a população tivesse água, melhorando as condições de higiene na cidade e, como tal, combateu doenças devidas à falta de higiene.
  • Como essa área da cidade tem muita água, havia lá quintas onde cultivavam cereais, criavam animais e tinham floresta. Também havia lá vime, uma planta que era usada para fazer cestas. O fabrico de cestas (cestaria) era uma das indústrias importantes em Braga, no passado. Na rua da S. Marcos havia uma casa onde se vendiam cestos de vime
  • A água das Sete Fontes chegou à cidade até quase ao final do séc. XX. O aqueduto que chega à cidade, vindo das Sete Fontes, ainda passa na rua de S. Vicente e na rua dos Chãos.
  • O excesso de água das Sete Fontes seguia por uma ribeira até ao rio Este. Essa ribeira já não existe à superfície do solo. Foi canalizada.
Em 1995, a ASPA, uma associação de defesa do património, apercebeu-se da importância da água das Sete Fontes para o futuro e, também, da beleza do sistema hidráulico do séc. XVIII, e pediu a classificação do monumento. Em 2001 a câmara decidiu que aquela seria uma zona de habitação onde estavam projetadas estradas. Ignoraram a água e o monumento!
Em 2009, 14 anos mais tarde, o Governo ainda não tinha classificado o monumento. Quando anunciaram que ali iam construir o hospital, um grupo de cidadãos organizou uma petição (abaixo assinado) que foi entregue na Assembleia da República, na qual pedia a classificação do Complexo das Sete Fontes. Foi um movimento de cidadania - Peticionários pela Salvaguarda das Sete Fontes - que juntou muita gente, em Braga e no país, organizou manifestações e caminhadas às Sete Fontes. Divulgou o valor existente nas Sete Fontes em Portugal e na Europa.
ZEP DO COMPLEXO DAS SETE FONTES
Venceu a cidadania e o Complexo das Sete Fontes passou ser Monumento Nacional desde 2011. E passou  ater zona especial de proteção (ZEP), que é a área que protege o monumento.
As imagens representam o interior e o exterior do sistema hidráulico, que é formado por minas, galerias, aquedutos e respiros. As mães-de-água, pintadas de ocre, são bem conhecidas.
Vê só a quantidade de água que existe nas Sete Fontes!



PERFIL DOS ALUNOS À SAÍDA DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

O que distingue o desenvolvimento do atraso é a aprendizagem. Tudo se aprende na vida e ao longo da vida:  aprendemos conhecimentos varia...